About Us

The Leading Cape Verdean News Site | O Líder da Informação na Diáspora
Advertise With Us

Saturday, 25 October 2014
About Us

Follow us on

Google Picasa

Upcoming Events
Sat Sep 20
Citizenship Day in Boston: Free Workshop
Sat Sep 20 @12:00PM - 06:30PM
School Supply Drive & Cookout (by Asosiason di Fidjus i Amigus di Santa Cruz)
Sat Oct 11 @ 7:00PM -
CV Association in New Bedford: Anniversary Gala
Banner
Joomla Templates and Joomla Extensions by ZooTemplate.Com
Classifieds

 
     
Lourenço Lopes
Jorge Carlos Fonseca recebe apoios políticos em Santa CatarinaPrintE-mail
Monday, 28 February 2011

jorge-carlos-fonseca_santa_catarina.jpg

Um grupo de cidadãos, apoiantes da candidatura de Jorge Carlos Fonseca à Presidência da República, realizou, no último domingo, 27 de Fevereiro, mais uma manifestação de apoio à candidatura.

SANTA CATARINA, Cabo Verde -- O acto decorreu na residência Estudantil, na Cidade de Assomada. Tratou-se, pois, de um almoço com a presença de cidadãos - jovens, homens e mulheres de diversas localidades do município de Santa Catarina, além de dirigentes políticos que manifestaram publicamente o seu entusiasmo ao projecto presidencial de Jorge Carlos Fonseca.

Na ocasião, duas personalidades nacionais, Mário Silva (jurista, deputado e Coordenador da Comissão Política Regional do MpD em Santiago Norte) e Francisco Tavares (Presidente da Câmara de Santa Catarina e Membro da Direcção Nacional do MpD), enalteceram o percurso político, cultural e académico do candidato, lembrando o seu protagonismo em diversos momentos da história do país: a luta na clandestinidade pela independência, seu activismo durante o regime de partido único e seu papel no I Governo da II República, enquanto Ministro dos Negócios Estrangeiros, tendo sido na altura, um dos protagonistas da entrada de Cabo Verde para o Conselho de Segurança da ONU.

O próprio candidato presidencial fez um depoimento aos participantes, num discurso em prol da liberdade e pela consolidação do Estado de Direito Democrático no país, desenvolvendo a ideia de que se a luta nacional inicia-se com a independência em 1975, esta qualifica-se com a ruptura democrática dos anos 90, e, ainda inacabada, exige esforços diários de todos os cidadãos. Jorge Fonseca expôs ao público presente o seu respeito às importantes personalidades da história cabo-verdiana - aos «combatentes da liberdade da pátria», os que lutaram pela independência nacional -, ressaltando sua admiração aos que, como ele, também lutaram pela democracia e liberdade nas ilhas. Estes seriam os «combatentes da liberdade na Pátria». «A luta pela democracia em Cabo Verde tem rosto e tem nomes».

O equilíbrio de poderes foi mais um aspecto central no discurso do candidato que apontou a necessidade de se evitar a concentração dos poderes nas mãos de dirigentes provenientes do mesmo campo político; numa versão simplificada referiu-se à necessidade de evitar depositar todos os ovos no mesmo cesto. Acrescentou, nesta direcção que, caso eleito, trabalhará com respeito e lealdade institucional com o governo de José Maria Neves, sem deixar de obedecer à Constituição da República. “Não serei um presidente omisso, nem um Presidente ausente, mas, sim, um exigente observador da Constituição da Republica”, declarou o candidato.

jorge-carlos-fonseca_santa_catarina_2.jpg

A natureza cidadã desta candidatura, como prevê a constituição, foi exaltada pelo anúncio de imunidade do candidato às pressões partidárias. Jorge Fonseca assegurou não vestir a camisa dos partidos, o que lhe confere legitimidade para se afirmar como efectivamente equidistante em relação aos mesmos, e, portanto, um candidato que reúne além das competências, igualmente as condições para ser, verdadeiramente, o Presidente de todos os cabo-verdianos.

Jorge Carlos Fonseca apontou igualmente a importância do exercício dos poderes “invisíveis” do Presidente, que deverá ser um promotor permanente do diálogo com a sociedade cabo-verdiana, influenciando o agendamento político de questões que têm a ver com a igualdade de oportunidades entre as regiões e as ilhas, a consolidação do poder local, política nacional da juventude, cultura, etc.

O almoço contou com a presença de cerca de duas centenas de pessoas, entre quadros, empresários, académicos, militantes e dirigentes do MpD, dos quais se destacam Jorge Santos, Mário Silva, Francisco Tavares, Fernando Elísio Freire, Orlando Dias, Lourenço Lopes, António Semedo, António Maurício Santos, entre outros.



Share/Save/Bookmark
 
Lourenço Lopes

Lourenço Lopes

Bio

Lourenço Lopes é Director do Gabinete de Comunicação e Imagem do MpD. É licenciado em Sociologia.

Atenção: As opiniões expressas pelos colunistas não representam a posição da FORCV. Elas apenas traduzem o ponto de vista dos mesmos. A FORCV publica artigos de opiniões de diferentes colunistas com o intuíto de apresentar diversos pontos de vistas aos nossos leitores. Por isso, convidamos pessoas interessadas a enviar artigos de opiniões para editor@forcv.com.

Latest ArticlesMost Read Articles

Comments  

 
+1 #45 Djosa Soares 2011-03-04 06:39
Os camaradas do Paicv estao sempre a fomentar divisao para puderem chegar tranquilamente as presidencias na mansu mansu. Vamos vois dar luta sempre. um dia o povo compreenderá que voces soa uma nomenclatura fascista que so quer encher o bolso à custa da fama de amilcar cabral.
Estamos no sec xxi e estão ainda recuados no tempo. ja não existe qulaquer animosidade entre as varias personalidades que fundaram a democracia não querem perdoar esses homens que acabaram com a mamentação em cabo verde
 
 
-1 #44 kel 2011-03-03 11:32
ku kel grupo d perdedores la, é ca ta bai nenhum cau!!! Es devia ter vergonha propi... sima es perdi feio?? Os salteadores do MPD, hahaha...
 
 
0 #43 VOTANTE 2011-03-02 13:57
O Jorge Carlos Fonseca concorreu à Presidência da República em 2001 contra Dr. Carlos Veiga e teve 5% dos votos. É o que este trotkista vale. Estando já o José Maria Neves eleito, ninguém de bom senso irá eleger uma pessoa de feições coléricas como o Zona para vir cooperar com o Primeiro Ministro eleito, sabendo que José Maria Neves também não tem sangue de barata. Isso seria votar na guerra institucional que poderá degenerar em guerra civil. Se o Dr. Carlos Veiga não aceitar se candidatar, o Spencer Lopes é a segunda alternativa apropriada.
 
 
+1 #42 Valentino Valente 2011-03-02 12:12
Fonseca é o cara. Tem carisma, humildade, competencia e devoção ao país.
Força meu amigo.
 
 
-2 #41 Cidadão 2011-03-02 08:27
O Jorge Carlos Fonseca tem face de pessoa colérica e, através do seu livro "O Delírio dos Porcos", demonstrou à saciedade até aonde pode lhe levar a sua cólera. Fiquei estupefacto como, aquando da primeira cisão do MpD, ele tratou, num dos jornais da praça da época, o seu ainda colega de partido, Teófilo Santos Silva. O homem fala naturalmente expelindo palavras sob forma de rajadas. É, pois, capaz de se enervar com a sua própria fala. Decididamente, ele não tem perfil para ser Presidente da República. Proponho que a Direcção Nacional pressione o Dr. Carlos Veiga a aceitar mais esse desafio de se candidatar à Presidência da nossa República por forma a fortalecer a nossa democracia. Com o Zona, estamos fritos.
 
 
-2 #40 Dra. Maria Lima 2011-03-02 04:12
Epopeia que levará em frente os nossos povos e as nossas ilhas, maltratados e despreciados pelo estado e governo colonial, que pactua com fascistas, terrorista, ditadores e comunistas, numa autêntica prostituicão politica do nosso governo.

Quando um povo produtor, enérgico e viril chora a injustica treme!

Agora essa massa anónima, destas Ilhas de Cabo Verde, de côres diferentes, tornadas de sombras sentidas e cantam com a mesma tristeza e desengano, agora essa massa é que se comeca a entrar definitivamente na sua própria história, e não na história de um partido e de um homem (Paigc e Amilcar Cabral). Agora sim, a história de Cabo Verde, e do Mundo inteiro terá de contar com "a história de todas as Ilhas de Cabo Verde" e não somente de Santiago, com os explorados e depenicados de Cabo Verde, que decidiram a escrever por eles mesmos e para sempre, a sua própria história, com o seu próprio sangue e sour.

Já se os vê pelos caminhos a pé a marchar, dias e dias, quilómetros e quilómetros, ondas de gente contra os olimpicos dos governantes para rabatar os seus direitos. Já se os vê armados de pedras, de paus, de machetes, de fusíles, de um lado e outro, diáriamente, ocupando as suas terras, afincando os seus fargos nas terras, que lhes pertencem e defendendo-as com a sua vida. Se os vê levando os seus cartazes, as suas bandeiras regionais, das suas próprias ilhas e consignas, constituindo um mar de gente, movendo como vento entra as montanhas, cidades, vilas, povoacões, localidades, ribeiras e cheias ilhanas de Cabo Verde. Agora estremecidos pelo rancor de justica reclamada, de direitos pisoteados e rejeitados, e essa onda de fogo de liberdade, que já comecou pelas Ilhas de Cabo Verde, não parará jamais. Essa onda crescerá cada dia que passa, porque essa onda, se forma pelos mais pobres e explorados, a maioria em todos os aspectos. Os que acomulam com os seus trabalhos as riquezas dos capitalistas e politicos, criam os valores, fazem andar as rodas da história e que agora desperta do sono profundo e embrutecedor, que lhes foram submetidos.

O governo colonial, que antes nos considerava rebanhos impotentes e submissos, agora com medo e assustado por este rebanho gigante de 2.000.000 pessoas, que advertem já as suas supuracões de fraudes, corrupcão, prostituicão politica e exploracão das ilhas de Cabo Verde (vascas leiteiras e escravas) colonizadas.

As ilhas e os seus sepultureiros já se preparam, para enterrar os colonos da Praia e Mindelo. Agora e na hora das reividicacões dos povos destas Ilhas de Cabo Verde, momento histórico por elas mesmas eligido com precisão de um extremo a outro do arquipélago e diáspora. O Estado Colonial da Praia Poderá encher as nossas ilhas de africanos, badius, militares e policias, sabujos e defensores dos interesses do Estado Colonial da Praia. Podem nos mandar bambas nucleares e nós, o nosso povo jamais renunciaremos as nossas reivindicacões, nem rendiremos à ocupacão dos colonos da Praia! O povo e o país, não pode ser amedrontado pelos politicos fraudalentos e prostitutos da Praia, nem por ninguém! As nossas ilhas podem ser ocupadas e conquistadas, mas jamais seremos governados. Não existe a palavra rendicão para os caboverdeanos. Cada bala, cada facada dos nossos colonos, policias badius e mandjakuzos, renovará os nossos espíritos de combate e, estou cada dia mais convicto, das nossas vitórias, sempre!

Convocamos a todos à demonstracão popular domingo 13 de Marco 2011, a ser realizada em todas as Ilhas de Cabo Verde, todas as cidades, vilas, povoacões e aldeias. Encontros nas pracas, nos largos, mais próxima da tua localidade e residência. Não temos dinheiro de sangue, tortura e ditadura, chegado de África, para comprar a tua presenca, mas esperamos que não percas esta oportunidade de mostrar ao governo o teu repúdio do estado de coisas em Cabo Verde. Bem-vindo!

Viva o desenvolvimento sustentado e equilibrado de Cabo Verde! Viva a Regionalizacão das Ilhas de Cabo Verde descentralizada s e descolonizadas! UNIDOS JAMAIS SEREMOS VENCIDOS! UNIDOS JAMAIS SEREMOS COMPRADOS!

Contactos:

http://www.sosstamaria.blogspot.com/
Facebook:
Municipio de Santa Maria
http://www.facebook.com/profile.php?id=100002062588937
 
 
-2 #39 Dra. Maria Lima 2011-03-02 04:12
Viva a REVOLUCÃO PARA REGIONALIZACÃO!
Regionalizacão ou independência, já!

APELO!
Bem-vindo à demonstracão popular domingo 13 de Marco 2011, a ser realizada em todas as Ilhas de Cabo Verde, todas as cidades, vilas, povoacões e aldeias. Encontros nas pracas, nos largos, mais próxima da tua localidade e residência. Não temos dinheiro de sangue, tortura e ditadura, chegado de África, para comprar a tua presenca, mas esperamos que não percas esta oportunidade de mostrar ao governo o teu repúdio do estado de coisas em Cabo Verde!

O governo totalitário e centralista da Praia, não reconhece os seus “repugnantes princípios” que o carecterizam de colonialista, imperialista e explorador das ilhas de Cabo Verde. Os repugnantes princípios que impulsam aos modelos de capitalismo selvagem, corrupcão, riqueza rápida e ilícita dos politicos, fraudes eleitorais, compras de consciências com o dinheiro de sangue, de tortura e ditadura que chega de África, condicionando as nossas eleicões e eligindo os nossos governantes. A democracia em CV é comprada.

O aparato opressor do estado e governo colonial da Praia, antes comunista e agora burguês e vendedor da nossa Terra, quer obrigar o povo de Cabo Verde a aceitar a continuidade do Estado arcaico e centralista, o aumento desenfreado de desembrego dos jovens, promiscuidade na justica, violência de criancas e mulheres, pedofilia e drogas. Não há justica! Não há desenvolvimento ! Anarquia reina total na república de banana, comecando pelos governantes, militantes e amigos, cada dia mais ricos - os donos de Cabo Verde! Enquanto conhecemos milhares vivendo nas barracas e passando fome, no Mundo Novo do José Maria Neves e Pedro Pires.

A radicalizacão da REVOLUCÃO PARA REGIONALIZACÃO do povo cabo-verdiano, já não se encontra nos seus pressupostos iniciais e o novo rumo imaginário, estará condicionado com as atitudes, hostalidades e guerras sujas que o Estado Colonial da Praia, está a fazer-nos, com os militares e policias, sabujos e defensores dos interesses do Estado Colonial da Praia. Se há visão e dinheiro para compra de votos, também tem que haver visão e dinheiro para a nossa REGIONALIZACÃO. Caminhando se faz o caminho!

Não há inimigo pequeno, nem forca desdenhável, porque já não há ilhas, nem povo isolado, em Cabo Verde. Conforme estabelece a Segunda Declaracão da Cidade e Município de Santa Maria, nenhum povo ou ilha de Cabo Verde é débil, porque formamos parte de uma família arquipélega de nove ilhas habitadas e somos cerca de 2.000.000 de pessoas, de irmãs e irmãos, contando com as nossas ilhas diasporisadas. Padecemos as mesmas misérias, a mesma opressão, o mesmo colonialismo, a mesma exploracão, alberguamos os mesmos sentimentos, temos o mesmo inimigo, sonhamos todos o mesmo sonho de melhor destino e contamos som a solidariedade de todos os homens e mulheres honrados do mundo.

Esta epopeia, que temos à frente, será escrita pelas massas com fomes, jovens, desempregados, prolitariados, camponeses sem terra, empregadas domésticas, pescadores, trabalhadores de Santo Antão a Brava, explorados e sem um vencimento mínimo. Esta epopeia será escrita pelas massas progressitas, pelos intelectuales honestos e brilhantes, que tanto abundam, em Cabo Verde. Luta de massas e de idéias.


Contactos:

http://www.sosstamaria.blogspot.com/
Facebook:
Municipio de Santa Maria
http://www.facebook.com/profile.php?id=100002062588937
 
 
+1 #38 Ricardina sampaio 2011-03-01 21:23
eu percebo pouco de política e portanto não faço afirmações bombásticas, nem falo mal de ningué. apenas exprimo meu sentimento de simpatia muito forte pela candidatura do dr. Jorge Fonseca. Tenho para mim que é pessoa muito inteligente e culta, séria e trabalhadora. Conheço a obra que é o ISCJS um dos melhores estabelecimento s de ensino superior em Cabo Verde. também sei que foi professor de direito no estrangeiro e que é o recordista de livros escritos em Cabo Verde. para mim isso chega para o apoiar, mas dos outros não posso dizer mal
 
 
+2 #37 Marta lemos 2011-03-01 20:17
como apoiante incondicional do dr. fonseca queria alertá-lo para ele não confiar muito nem no Jorge santos nem no carlos Veiga. Este só em último recurso o vai apoiar. Sei disso por conversas de próximos dele. Para ele seria uma afronta o dr. Fonseca chegar a PR, seria uma calamidade para ele. Portanto, vai fazer tudo ou para impedir o apoio do MPd ou não podendo impedir por causa dos imensos apoios que o nosso candidato tem no partido vai fazer para que no terreno o MPD pouco faça. Ele vai rezar p+ara o senhor perder.

mas com a ajuda de nós todos vamos conseguir a vitória
 
 
+2 #36 António T. Vaz 2011-03-01 20:14
Sou fã de Jorge Fonseca desde há muitos anos. Fui colega dele no liceu adriano Moreira, na Pria. Ele era mais a irmã Hédi os melhores alunos daquele tempo, sempre no Quadro de Honra. Depois ele foi para Coimbra e eu para Lisboa mas acompanhei sempre a carreira dele. Meteu-se cedo na política e foi expulso se não me engano no ano em que terminava o curso, e tinha notas elevadas também. sei que veio para cabo Verde para trablahra no partido de então e no Ministério dos Negócios estrangeiros. A fama de sua inteligência corria Cabo Verde. regresspou tempos depois a Portugal e brilhou como académico, tendo ficado em primeiro ou segundo lugar num concirso público para assistentes da Universidade de Lisboa. Sei que foi para a alemnha especializar-se e depois para Macua onde foi director da Faculdade de Direito.
Ele tem uma obra fantástica se pensarmos em termos de Cabo Verde. mas o que mais gosto no Zona é a sua simplicidade, a maneira como sabe tanto e se mostra disposto a ajudar os outros.

Não sou politico mas acho que letem todas as condições para ser um grande Presidente. Ele é perfeito ou quase naquilo que faz. é exigente e chato, por isso as vezes alguns interpretam mal e acham que é vaidoso. Pelo contrário, é de uma simplicidade e humildade incrível.
 
   

Advertise - About Us - Site Map - RSS

© 2005-2014 forcv.com - All rights reserved, USA.